segunda-feira, 24 de junho de 2013

Letramento e Capacidade de leitura para a cidadania de Roxane Rojo.

Em seu texto "Letramento e capacidades de leitura para a cidadania Roxane  Rojo,cita a frase de Ziraldo "Ler é melhor que estudar,''frase que expcionalmente retrata a realidade das nossas escolas e o distanciamento da teoria em relação a prática.Sabe-se que para a compreensão e interpretação de textos que se faz necessário ir além desses limites é preciso se adequar as capacidades básicas que são ensinadas e aprendidas,durante o processo de alfabetização,nas séries iniciais do Ensino Fundamental.Essas capacidades não se dão por si só,sem a contribuição de outras capacidades de compreensão,apreciação e replica e para isso,é necessário a recuperação do contexto de produção do texto,a definição de finalidades e metas da atividade de leitura e percepção de relações de intertextualidade. Deste modo,o letramento e a habilidade de leitura na argumentação desenvolvida no texto em questão nos mostra a condição dos nossos alunos que exercem efetivamente as práticas sociais de leitura e de escrita e que participam das atividades de literalidade dos textos e interpreta-lós fazendo o trabalho de intertextualidade,decodificação,inferências,compreensão,interação,estraté-gias de leitura e escrita interpretação.No entanto a escolarização no caso da sociedade brasileira,não leva á formação de leitores e produtores de textos proficientes e eficazes já que as práticas de leitura no letramento escolar não se desenvolvem a não ser numa pequena parcela das capacidades envolvidas nas práticas letradas exigidas pela sociedade abrangentes.Ser letrado e, ler na vida e na cidadania é escapar da literalidade dos textos e interpreta-lós é discutir e debater com os textos,contestando e avaliando atitudes ideológicas que constituem seus sentidos,e,enfim trazer o texto para a vida e coloca-lo em relação com ela.Ler envolve diversas diversas metodologias e capacidades perceptuais,cognitivas,efetivas,sociais,discursivas e linguísticas.Assim,se a escola e a Educação são lugares sociais,de ensino aprendizagem de formação do sujeito social,de construção de ética e moral,na troca de informações,tem que assegurar ao aluno,obviamente esse conceito de letramento e o pressuposto de que aprendizagem seja realmente o exercício de práticas de leitura e escrita.



Elaborado por Maribel E.Martin.



terça-feira, 18 de junho de 2013

Texto: Meu primeiro beijo – Antonio Barreto
1.       Fazer a ativação de conhecimento de mundo; antecipação ou predição; checagem de hipóteses.
        Antes de entregar o texto aos alunos, ler para eles o título e o nome do autor e fazer os seguintes questionamentos orais:
a.       Sobre o que ele acha que vai tratar o texto O primeiro beijo? (trabalhar o título do texto)
b.     Se conhecem este autor?
c.      Aguçar a imaginação dos alunos antes da leitura. (Qual a expectativa dos alunos sobre o primeiro beijo?)
d.      Que tipo de protagonistas tem nesse primeiro beijo?
e.      O primeiro beijo tem o mesmo significado nos dias atuais como antigamente?  Nesta etapa entregar os textos e fazer a leitura compartilhada com os alunos.
a.       Novamente fazer a checagem de hipóteses:
b.      O que eles imaginam que poderia ter acontecido com as personagens do texto;
c.       Em relação ao local mais apropriado para o primeiro beijo. O que eles acham?

2.       Fazer a localização de informações; comparação de informações; generalizações.
a.       Está sendo usada no texto a linguagem formal ou informal?
b.      Habilidade em identificar a linguagem usada no texto;
c.       O que significa a informalidade intencional que o autor usou no texto?
d.       Que experiências os alunos tem sobre o primeiro beijo?
e.       Localizar o tempo e o espaço em que ocorreu o primeiro beijo no texto.
f.        Identificação da temática do texto/generalizações;
g.       Quem são as personagens? Como elas são?

3.       Produção de inferências locais; produção de inferências globais;
a.     “ Inferência local: o autor trabalha a ironia no texto (figura de linguagem) na identificação do personagem (apelidos dados ao menino) “paracelso”, “cultura inútil”,” bactéria falante”;
b.      Inferência global: Passagem do tempo na história, (ações crescentes)
c.       Comparação do beijo como “normal”, mas sendo inesquecível, (dicotomia das palavras)

4.       Recuperação do contexto de produção; definição de finalidades e metas da atividade de leitura.
a.       Pergunta-se aos alunos sobre o autor;
b.      Guia os alunos para a pesquisa desse autor, suas obras, seus textos mais famosos;
c.       Situa-se a época do texto com a época atual;
d.      Para que público foi criada essa história? Para que finalidade?

5.       Percepção das relações de intertextualidade; percepção das relações de interdiscursividade;
a.       Mostrar vídeos aos alunos com depoimentos sobre o primeiro beijo.

b.      Mostrar imagens sobre o texto;

c.      Trabalhar o vídeo e a letra da música Primeiro beijo do cantor mirim João Vitor;
https://www.youtube.com/watch?v=3Jo9y14jk7o

d.      Trabalhar imagens dos casais mais cobiçados do cinema se beijando;
e.      Mostrar aos alunos o vídeo Beijos de cinema com música de Marisa Monte.



6.     Percepção de outras linguagens;
Elaboração de apreciações estéticas e/ou afetivas; elaboração de apreciações relativas a valores éticos e/ou políticos.
a.       O que se analisou sobre o texto, se é de fácil interpretação e ou entendimento;
b.       Que valores éticos o texto traz?
c.       O aluno se identificou com o texto? Apreciou o texto e a sua leitura?



Referências Bibliográficas e links utilizados


DOLZ, J. SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita – elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona) Campinas, SP: Mercado de Letras.
ROJO, ROXANE. Letramento e capacidades de leitura para cidadania. LAEL/PUC - SP

(MARIA ELCE)

domingo, 16 de junho de 2013

Situação de aprendizagem do texto "Pausa " de Moacyr Sclair
 Antes da leitura:
 - Levantamento do conhecimento prévio sobre o assunto;
 - Hipótese do que será lido;
 - Criar expectativas em função do texto;
 - Que relação tem o título com a história;
 - Expectativa em função do autor (biografia e bibliografia).
  Durante a  Leitura :
 - Primeira leitura, silenciosa feita pelos alunos;
 - Leitura oral feita pelo professor;
 - Leitura compartilhada;
 - Esclarecimentos de palavras desconhecidas, utilização de dicionário;
 - localização do tema e da ideia principal ;
 - Identificar palavra chave; 
 - Busca de informações complementares ;
Depois da leitura:
 - Fazer intertextualidade com outros textos, poemas, músicas.....;
 - Questionar o aluno se após a leitura houve mudança de opinião;
 - Comparar o texto com a vida moderna de casais;





  Situação de aprendizagem do texto avestruz de "Mario Prata"
 
  Antes da leitura do texto:
 - apropriar-se da biografia do autor;
 - exploração do título,levantamento prévio sobre a ave avestruz;
 - antecipação do tema ou ideia principal a partir do título;
 
   Iniciar a leitura:
 - leitura silenciosa feita pelos alunos;
 - leitura oral feita pela professora
 - leitura compartilhada;
 
  Durante a leitura:
 - esclarecimento de palavras desconhecidas a partir de inferências ou consulta a dicionário;
 - localização ou construção do tema ;
 - identificar palavras chaves para determinação dos conceitos veiculados.
 - identificar se há expressões que dialogam com outros conhecimentos;
 - construção do sentido global do texto.
 
 Após a leitura:
 - intertextualidade;
 - música , poemas, outros textos....

              

sábado, 15 de junho de 2013

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM MEU PRIMEIRO BEIJO- ANTONIO BARRETO

Sorocaba,15 de junho de 2013

MELHOR GESTÃO MELHOR ENSINO

Atividade realizada no Forúm do Grupo 6-Módulo3, cujo o objetivo foi partilhar,comentar,sugerir,inferir as possibilidades de ampliação e de realização de situação de aprendizagem.

OBJETIVO- Desenvolver a habilidades de ler e interpretar textos da tipológia   relatar o gênero crônica,
 inferindo seus traços característicos em situação específicas de comunicação.

CONTEÚDO E TEMA- Estudo do gênero textual crõnica ,elementos da narrativa ,estudo dos aspectos linguísticos e comparação com a tipologia relatar.

COMPETÊNCIA E HABILIDADES- Ler,interpretar o sentido do texto,analisar,reconhecer elementos da narrativa ,distinguir o gênero relato do gênero crônica,reconhecer as características da tipológia relatar,localizar informações implicitas e explicitas no texto ,realizar análise linguística.


ESTRATÉGIA- Leitura do texto e da bibliografia do autor,fazendo um resgate dos valores sociais e culturais da época que o texto foi  escrito e um comparativo com a época atual,roda de conversa ,levantamento de hipóteses,interpretação do texto,análise dos aspectos linguísticos.trabalhar a  intertextualidade ,uso de recursos audiovisuais.

RECURSOS- Texto"Meu Primeiro Beijo" de Antonio Barreto,livro didático,filme,internet,apostila do professor e outros textos.

AVALIAÇÃO- Avaliação feita ao longo das aulas,discussão oral,sobre o filme ,localização de elementos
narrativos feitos pelo grupo oralmente,interpretação do texto através de perguntas escritas,produção de uma Crõnica."Um momento inesquecível",produção de um gênero relato (gênero diário),posterior comparação entre gêneros.



 






Roteiro para aplicação da situação de aprendizagem realizada por Maribel E.Martin.

domingo, 9 de junho de 2013

A importância da Leitura e da Escrita.

Neste forum encontraremos  depoimentos que geraram discussões e reflexões sobre a Leitura e a Escrita.

Me chamo Maribel E. Martin.
Nasci em Brigadeiro Tobias,Sorocaba,sou do interior com muito orgulho,onde  continuo a residir.Trabalho na Sala de Leitura na Escola Flávio Gagliardi.
Minha experiência com a leitura começou cedo.Cresci lendo bons livros,sempre sonhei conhecer o mundo e no meu intimo sempre tive essa certeza de que assim seria.Me lembro de meu pai alimentando esse sonho,pois sendo espanhol,conversávamos bastante sobre outras culturas,as emoções de vários países...enfim sonhava e sonhava dormindo e acordada.
Lembro-me de ter sido presenteada com um livro na década de 80 chamado: A Viagem,nele viajamos pelo mundo  de avião de trem...Já faz tanto tempo isso,mas ainda posso sentir a emoção de cada pais,Espanha,Polônia,Argentina...realmente  eu vivia tudo aquilo naquele momento e sabia que em algum. determinado momento da minha vida tudo isso se cumpriria.Hoje eu revivo tudo isso e me emociono.Afinal, quem precisa  da realidade tendo
um bom livro como amigo 
Literatura que palavra poderosa.Agora,vejo jovens,muitos...Sem sonhos,sem fantasias,sem asas!!!Tolhidos pelo microcosmo em que vivem,engaiolados e rodeados por lobas,serpentes,ursos,lanças...È preciso liberta-lós da prisão,oferecer-lhes uma janela.Eis o Caminho...
Libertem a imaginação.
.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

SOLIDÃO

Por mim,por vós,e por mais aquilo
que onde as outras coisas nunca estão,
deixo o mar bravo e o céu tranquilo
quero solidão.

Meu caminho é sem marcas nem paisagens.
E como o conheces?-me perguntarão.
_Por não ter palavras,por não ter imagens,
Nenhum inimigo e nenhum irmão.

Que procuras?Tudo.Que desejas?Nada.
Viajo sozinha com o meu coração.
Não ando perdida,mas desencontrada.
Levo o meu rumo na minha mão.

A memória voou da minha fronte
 Voou meu amor,minha imaginação...
Talvez eu morra antes do horizonte.
Memória,amor e o resto onde estarão?

Deixo aqui meu corpo,entre o sol e a terra.
(Beijo-te,corpo meu,todo desilusão!
Estandarte triste de uma estranha gerra...)
Quero solidão.





quinta-feira, 6 de junho de 2013


UM BELO EXEMPLO DO QUE AS PALAVRAS PODEM FAZER EM NOSSAS VIDAS



(MARIA ELCE)





(MARIA ELCE)

Motivo

Motivo


Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.


Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.


Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.


Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.
Cecília Meireles
Maribel Martin.


Oi, gente, essa sou eu, MARIA ELCE, num momento de bobeira. Sou professora de Português na rede estadual desde 1993. Sou mãe de dois meninos lindos e esta é minha melhor função. Amo ler de tudo e de todos, gosto de escrever minhas impressões sobre a vida. Trabalho numa escola num bairro da periferia de Sorocaba e, por isso, convivo com as mazelas da sociedade: drogas, tráfico, pobreza, analfabetismo...Mas minha esperança ainda persiste e insiste...

Experiências de leitura

Quando criança era costume ouvir uma história antes de dormir, assim começou minha paixão pela leitura. Via minha mãe lendo livros grossos e sem figuras e ficava intrigada: Qual era a graça? Não entendia como poderia ser tão interessante a ponto de ficar tanto tempo concentrada na leitura. Quando consegui ler meu primeiro livro sozinha foi uma grande conquista e alegria, pois eu queria saber o que tinha de tão interessante nos livros da minha mãe. Cresci lendo muito e tudo que fosse possível, lembro-me da professora de português que bimestralmente nos oferecia um livro, geralmente da Coleção Vagalume, era o melhor momento, mesmo sabendo que teriamos uma prova na sequencia da leitura, valia a pena. Em uma dessas leituras, me deparei com o livro "Sozinha no mundo"... foi uma experiência incrível. Essa leitura foi tão diferente e reveladora que não consegue ler uma única vez. Aquela realidade apresentada na história era tão diferente que me senti tocada e "sofri" com a personagem. Nos anos seguintes continuei lendo e escrevendo muito, era comum imaginar e escrever como continuaria a história após o desfecho do livro ou quando o final não era o esperado escrevia algo mais próximo do que seria, na minha opinião, o final ideal. Quando terminei o magistério, não tive duvidas: faria Letras, para estimular o gosto pela leitura e escrita para que este ciclo nunca se acabe.
                                                                     Marieth de Moraes

quarta-feira, 5 de junho de 2013



Um exemplo de como a palavra pode encantar. Maria Elce.
"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história."
Bill Gates   (Maria Elce)